Paraná

Ilha de Superagui: como ir e o que fazer no paraíso escondido do Paraná

Ilha de Superagui: como ir e o que fazer no paraíso escondido do Paraná
04 abr 2016
Atualizado em: 27/10/2017

Nem parece que Superagui fica a menos de meia hora de barco da Ilha do Mel. Enquanto a irmã menor e mais famosa ganhou uma multidão de turistas, Superagui mudou pouco nos últimos anos. Nas duas vezes em que estive lá, encontrei as mesmas praias e trilhas tranquilas cheias de botos e pássaros.

De bike pela Praia Deserta

De bike pela Praia Deserta

O povoado da Barra de Superagui, que pertence a Guaraqueçaba, no Paraná, tem só 700 habitantes. A maioria das casas é de madeira, não existe asfalto, nem carro, nem supermercado. Há estrutura turística , mas só o básico do básico. Não, você não vai encontrar barraca de comida, água de coco na praia nem lojinha de artesanato. Conto mais sobre Guaraqueçaba neste post:

->Guaraqueçaba: o que fazer entre a serra e o mar

Superagui I

Em compensação, não precisa arredar o pé da areia para ver uma das maiores atrações da ilha. Os botos nadam pertinho da praia, entre os barcos de pesca ancorados em frente à vila. Se entrar na água, pode até topar com um deles. Durante o verão, é comum ver mães com filhotes na maior tranquilidade.

O boto-cinza é um golfinho que costuma viver em áreas de transição, entre o mar e os rios, onde há muitos peixes. A presença deles mostra o equilíbrio ecológico do Parque Nacional de Superagui, que ocupa boa parte do município de Guaraqueçaba e chega até a divisa com o estado de São Paulo.

Superagui II

E os botos não estão sozinhos. O parque faz parte de um dos ecossistemas mais diversificados do mundo, eleito Reserva da Biosfera e Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Isso significa que, durante um passeio, você pode ser apresentado a um papagaio-da-cara-roxa, a um mico-leão e a outros bichos ameaçados.

Por incrível que pareça, estes animais ameaçados convivem muito bem com visitantes e comunidades de pescadores. E olha que estamos em plena Baía de Paranaguá, pertinho de um dos portos mais movimentos do país.

Ilha de Superagui

Esta tranquilidade toda, lógico, é um bônus valioso para quem visita Superagui. Mas não espere aquele paraíso idealizado, tipo capa de revista de turismo. É natureza de verdade mesmo, com areia entrando no quarto e pouca sofisticação em hospedagem e alimentação.

Se você curte calmaria (incluindo um detox digital), trilha, passeio de barco e praias selvagens, a Ilha de Superagui pode ser seu reduto de férias. Se gosta de tudo isso mas cansa rápido, como eu, uns dois ou três dias bastam para conhecer o que o parque tem de melhor.

O que fazer no Parque Nacional de Superagui

BARRA DE SUPERAGUI

Barra de Superagui

Barra de Superagui

A Barra de Superagui concentra quase todas as pousadas, restaurantes e campings do parque. É uma vila pacata, onde não há muito o que fazer a não ser descansar e o olhar o mar. O maior atrativo além da rede são as praias, 38 quilômetros de areia desde o trapiche até a divisa com o estado de São Paulo.

A praia diante da vila é ótima para ver os botos e barcos, mas não tanto para banho. O mar é escuro pela proximidade com os rios e há muitas águas-vivas. Vale a pena ir até a Praia Deserta, onde a ilha está voltada para o mar aberto e as águas são mais claras e rasas.

Trilha para a Praia Deserta

Trilha para a Praia Deserta

PRAIA DESERTA
O melhor ponto para nadar fica a cerca de quatro quilômetros do povoado. Dá para ir a pé ou de bicicleta, pela areia ou por uma trilha que corta áreas de mata e restinga. Nós preferíamos alugar uma bicicleta na pousada Sobre as Ondas. Fomos pela trilha e voltamos pela praia para conhecer melhor a ilha.

A trilha exige cuidado com as pontes de madeira sem proteção, mas nada muito complicado com tempo seco. Eu fui com meus filhos de 9 e 12 anos e, apesar das bicicletas capengas, foi uma delícia. Demoramos cerca de uma hora e meia, meio andando meio pedalando. Dizem que o mico-leão-da-cara-preta vive por ali, mas, desta vez, nenhum deles deu o ar da graça.

Praia Deserta em Superagui

De bike pela Praia Deserta

De bike pela Praia Deserta

O nome Praia Deserta combina mesmo com o lugar. Com exceção de raríssimos turistas, não há nada, nada mesmo, além de areia, mar e milhares de conchinhas. Então, não se esqueça de legar água, lanche, protetor solar e repelente.

Nosso retorno pela areia foi mais cansativo por causa do sol forte e da fome, mas o caminho valeu o esforço. Pedalar por essa longa praia, cercada por pássaros marinhos, foi uma experiência e tanto. Prefira o começo da manhã e o começo da tarde para este trecho de praia e estará perfeito!

Superagui - Praia Deserta

Já quase chegando à vila, atravessamos um rio de águas limpas e escuras que encontra o mar na Barra da Lagoa. Uma beleza de lugar.

PASSEIOS NO PARQUE NACIONAL DE SUPERAGUI

A caminho da Ilha das Peças

A caminho da Ilha das Peças

Os barqueiros de Superagui levam os turistas até as outras comunidades e ilhas que fazem parte do Parque Nacional. Saindo cedo, é possível percorrer as mais próximas em um único dia. O passeio completo, incluindo Ilha das Peças, Sebuí, Barbados e Ilha do Pinheiro, custa cerca de R$250,00 para 4 pessoas, mas dá pra negociar. Eu contratei o barqueiro Aurélio, na Pousada Centauro.

*Atenção: este era o preço na época em que eu viajei e pode ter sido alterado.

ILHA DAS PEÇAS

Restaurante na Ilha das Peças

Restaurante na Ilha das Peças

Localizada entre Superagui e a Ilha do Mel, a Ilha das Peças fica numa posição estratégia para ver um verdadeiro desfile de botos. Os restaurantes da comunidade servem um menu básico e gostoso com peixe grelhado e frito, camarão, siri e acompanhamentos.

O caminho mais curto – pelo mar de fora, como dizem aqui – leva poucos minutos mas resista à tentação. A região tem muita turbulência e eu passei um medo danado vendo o barqueiro driblar as ondas altas na lateral do barco. Prefira o caminho por dentro da baía.

BARBADOS

Barbados

Barbados

O pequeno restaurante do Seo Lopes é a atração da vila de pescadores. A especialidade são as ostras criadas ali mesmo na baía. Quando estive lá, ele tirou as conchas do mar na hora e assou no forno a lenha. Dos deuses! Peça para o barqueiro reservar para você.

ILHA DO PINHEIRO

Revoada de papagaios

Revoada de papagaios

As árvores da ilha são o dormitório natural do papagaio-da-cara-roxa (conhecida também como chauá), em risco de extinção. Todo fim de tarde, centenas de casais voltam para a ilha numa grande revoada. Os turistas assistem do barco, de boca aberta. Se você der sorte, ainda vai ver um boto saltando por perto.

RESERVA DO SEBUÍ
O grande atrativo são três cachoeiras com águas cristalinas. Depois do trecho de barco, é preciso caminhar quase uma hora por uma trilha no meio da mata. Como vínhamos de Guaraqueçaba e do Salto Morato, acabamos deixando para a próxima vez.

ARARAPIRA E LAGAMAR

Superagui - como chegar

 

Superagui é uma grande ilha artificial formada depois da construção do Canal do Varadouro, que interligou pequenas baías e rios. Muitos turistas seguem por este canal até Ararapira, já no estado de São Paulo, num grande roteiro pela região do lagamar. Alguns vão até a Ilha do Cardoso.

Onde comer em Superagui

Almoço no Restaurante Crepúsculo

Almoço no Restaurante Crepúsculo

Em Superagui, nem a temporada parece temporada. Muitos bares e restaurantes, que já são poucos, só abrem nos finais de semana, quando o movimento aumenta.

Nos outros dias, apenas dois restaurantes servem almoço. O buffet da Pousada Sobre as Ondas tem peixe, camarão frito e acompanhamentos, sem muita variação, em sistema self-service (preço único de R$30,00). O Restaurante Crepúsculo serve na mesa o menu completo, comida simples e gostosa, com frutos do mar incluídos. (R$50,00 para duas pessoas). Os dois ficam em frente à praia.

As opções diminuem mais ainda à noite. Em pleno mês de janeiro, encontrei só lanches e petiscos. Os ótimos pastéis da Juliana, no bar da Pousada Centauro, me salvaram quando eu não aguentava mais comer a mesma coisa.

 

 

Mercearia em Superagui

Mercearia em Superagui

Para comprar alimentos, só recorrendo aos mercadinhos que vendem de tudo no antigo sistema de armazém. No Armazém do Toninho, em frente à praia, você encontra pão francês, bolachas, algumas frutas e outras coisas úteis. Em frente ao trapiche, a sorveteria Pôr do Sol (não se assuste com a aparência simples) vende chocolates e bons sorvetes vindos de Paranaguá (R$4,00 a bola).

 

Superagui 3

 

Se for a Superagui em fim de semana de temporada, não deixe de passar no Bar Akdov. Há boas chances de você presenciar uma apresentação de fandango, uma dança popular típica do litoral do Paraná.

Onde se hospedar em Superagui

Pousada Sobre as Ondas

Pousada Sobre as Ondas

As pousadas são todos muitos simples. O máximo do conforto quase sempre é um quarto limpo com paredes de tijolos, (a maioria é de madeira) e ventilador. Ar condicionado, tv e frigobar são raros. Não se esqueça de pedir a limpeza diária se achar necessário.

Quarto da Pousada Sobre as Ondas

Quarto da Pousada Sobre as Ondas

Na minha última viagem, eu me hospedei na Pousada Sobre as Ondas ( 41 3482 7118). Os quartos são básicos (a rede na varanda é ótima!) e o café da manhã poderia ser melhor. A maior vantagem é que a pousada tem restaurante próprio aberto o dia todo e uma área sombreada com mesas e cadeiras diante da praia. É também um dos poucos locais com wi fi na ilha.

Da primeira vez que estive na ilha, há quatro anos, ficamos na Pousada Centauro, que tem quartos razoáveis e bom café da manhã. No terreno em frente, funciona agora um pequeno camping bem estruturado e um bar. Foi onde comi o pastel preparado pela Juliana na última viagem e contratei o barqueiro Aurélio, marido dela.

Veja mais mais sobre hospedagem em Superagüi e Guaraqueçaba:
-> Pousadas em Guaraqueçaba e Superagüi: onde é melhor se hospedar

Como chegar a Superagui

Ruínas entre Guaraqueçaba e Superagui

Ruínas entre Guaraqueçaba e Superagui

O único caminho direto é pelo mar. Barcos de linha (particulares) da Rua da Praia,em Paranaguá, atrás do Restaurante Danúbio, às 14h30, de segunda a sábado. O barco retorna de Superagui às 07h00, de segunda a sábado, e às 14h00, aos domingos. A viagem demora cerca de 2 horas e meia dependendo das condições do mar. As voadeiras são bem mais rápidas mas custam mais caro.

Praia em Superagui

 

Da última vez, inclui a ilha em um roteiro mais amplo com base em Guaraqueçaba. Contratamos uma lancha motorizada ( meia hora de percurso) para ira até Superagui mas há a opção de pegar barco de linha uma vez por dia. (ida às 14h00, volta às 07h00, duas horas e meia de viagem)

Também dá pra fazer o passeio a partir da Ilha do Mel, mas escolha um barco maior porque que o trecho, já quase em mar aberto, não é tão tranquilo como a baía. Prefira também fazer a travessia com sol. Na minha última vez, o tempo virou e peguei muito vento. Chegamos encharcados e com o coração na mão. Quando se trata de barco, cuidar da segurança nunca é demais. 😉

*Atenção: os preços são da época em que estive na ilha e podem ter sofrido alterações.

 

FOTOS: CASSIANA PIZAIA

————————–
Veja mais sobre o litoral do Paraná:

Pousadas na Ilha do Mel: onde se hospedar em Brasília, Encantadas, Farol e Fortaleza
Guaraqueçaba: o que fazer entre a serra e o mar
Um passeio à Reserva Natural do Salto Morato, em Guaraqueçaba

Outros destinos de ecoturismo:

O que fazer e viver na Península de Maraú
Como chegar e aproveitar a praia de Taipu de Fora, na Bahia
De Urubici a Cambará do Sul, um roteiro pelos Aparados da Serra
Alter do Chão: passeios, melhor época, como ir e o que fazer

por Cassiana Pizaia
compartilhe:

Veja também:

comentários

  1. Paulo Ricardo
    21 abr 2016

    Adorei as dicas! Tenho plano de conhecer esse lugar em breve. Pena que já estamos quase em maio, e li na internet que é melhor evitar os meses de abril a maio.

    • Cassiana Pizaia
      25 abr 2016

      Obrigada, Paulo. Sobre a melhor época para ir a Superagüi, depende do que você procura. Se for praia e calor, vá no verão, entre dezembro e fevereiro. Mas estes também são os meses mais úmidos aqui no sul. A partir de abril, as chuvas diminuem bastante, o que ajuda muito nas caminhadas e passeios de barco pelas ilhas. O inverno é frio mas seco. Os dias chuvosos voltam a aumentar a partir de setembro. Isso lógico, em condições normais. Espero ter ajudado!

  2. Shenia
    05 nov 2016

    Adorei as dicas. Valeu!

  3. marcos Santos
    11 jan 2017

    Eu conheço esse lugar, já fui duas vezes, é maravilhoso, simples, rústico, mas pra quem gosta de natureza, é um paraíso.

    • Cassiana Pizaia
      17 jan 2017

      Também gosto, Marcos. Obrigada.

  4. Eloisa
    12 jan 2017

    Gostei bastante desse blog alias achei ele o mais completo sobre ilha de Superagui, Parabéns!
    vou postar aqui algo para corroborar com suas dicas. Vou sempre que posso visitar esse paraíso.
    1. dica para chegar a ilha sugiro o barco de linha demora mas é bem seguro, não tenha pressa de chegar, em uma das viagem resolvi ir de voadeira por ser mais rápida e acabou sendo a mais longa viagem 5 horas a deriva era inverno não passava ninguém para ajudar e o piloto foi remando até alguém ajudar a rebocar, Não embarque com chuva e vento forte , Vá em época de verão de preferencia embarque de manhã a tarde o tempo pode virar pra chuva, e no inverno eu acho a melhor época é frio mas tem menos insetos e a pedalada fica mais prazerosa.
    2. sobre as pontes que são citadas no blog, nesta minha ultima visita em dezembro/2016 tem apenas uma de madeira e é bem segura as outras são todas de concreto.
    3. Sobre a praia a diante da vila o mar fica escuro apenas quando a maré recua no mais vc pode entrar nas águas claras e curtir é uma areia bem firme e uma praia bem segura para as crianças.
    4. Outra dica legar é pra quem volta da praia deserta pelo mar a primeira casa após a sede do Ibama é a casa da Dona Zica onde tem um almoço fresquinho simples mas com muito camarão e peixe e se ainda quiser encomendar caranguejo e ostras ela da um jeito e traz tudo fresquinho com um preço que te surpreende de tão barato.
    E ultima dica conhecer Dona Abigail moradora antiga, a casa dela é ao lado da bicicletária mas famosa ela vende folhas de cataia vc se assusta um pouco com o local mas ela tem uma riquíssima cultura caiçara para te oferecer. Até mais!!!

    • Cassiana Pizaia
      17 jan 2017

      Olá, Eloisa. Eu viajei no verão, com tempo bom, e foi bem tranquilo. No inverno e com tempo chuvoso, um barco maior realmente é mais seguro. Gostei muito de suas informações e dicas. Da próxima vez, vou conhecer a Dona Zica e a dona Abigail. Obrigada!

  5. Jamyr
    21 jan 2017

    Olá….gostaria muito de conhecer esse lugar.
    Moro em Araucária divisa de Curitiba e fiquei curioso pq vi a reportagem da Globo.
    Vou entrar em contato e tentar uma reserva.
    Tem sugestão de pousada?
    2 casais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *