04.02.2015

O que fazer no Pelourinho: cultura, diversão e história

O que fazer no Pelourinho:  cultura, diversão e história

Mal coloquei os pés no Pelourinho e já ganhei sem pedir minha primeira fita do Senhor do Bonfim. A baiana simpática fez a amarração no meu braço, sem cerimônia, ali mesmo no meio da rua.

Atrás das fitas, vieram os colares, os anéis, a conversa. Dezenas de vendedores ambulantes costumam cercar os turistas no Terreiro de Jesus (o nome da praça é XV de Novembro mas quem se lembra?), onde a vida acontecia entre os séculos XVI e XIX.

Vale a pena exercitar o jogo de cintura e a paciência. Este é o melhor lugar para começar um passeio a pé pelo centro histórico de Salvador até porque fica na parte alta e as ladeiras do Pelourinho são de tirar o fôlego.

Baiana no Largo do CruzeiroNo alto da colina, em frente à Baía de Todos os Santos, os portugueses criaram a cidade-fortaleza para ser a capital do país no centro do litoral brasileiro. É onde funciona até hoje o centro político da cidade, o Palácio Rio Branco, sede do governo por dois séculos, a Prefeitura e o Palácio Municipal (Câmara de Vereadores). O Elevador Lacerda, também próximo, liga o centro histórico à cidade baixa e ao Mercado Modelo

Andar com calma por aqui, entre mais de 800 construções dos séculos XVII a XIX, é um mergulho delicioso na história e na cultura de Salvador.

TERREIRO DE JESUS E CATEDRAL DE SALVADOR

Capoeiristas no Terreiro de Jesus No Terreiro de Jesus, o belo chafariz francês de 1855 quase passa despercebido. O que chama a atenção é mesmo a dança ao som do berimbau.

Este chegou a ser o principal local de castigo dos escravos de Salvador. O pelourinho foi transferido depois que os padres reclamaram que os gritos atrapalhavam as missas.

CapoeiraHoje a roda de capoeira gira em frente à Catedral de Salvador. Chama os turistas que acabam de admirar a imponente igreja com pilares de mármore esculpidos em Portugal.

Largo do Cruzeiro e Igreja de São Francisco

Igreja de São FranciscoNa direção oposta, o piso de pedras leva ao Largo do Cruzeiro e a outra igreja espetacular, a de São Francisco. Entre uma e outra, baianas de vestidos rodados esperam por uma foto diante dos sobrados coloridos.

O convento, infelizmente, está ameaçado por infiltrações e problemas de estrutura que prejudicam seus valiosos painéis de azulejo português

Imagem da Igreja de São Francisco Mas o interior da igreja é uma verdadeira câmara dourada. Arabescos folheados a ouro cobrem paredes e altares, cercam imagens e símbolos sacros e pagãos. Criam uma das mais belas e ricas igrejas do Brasil.

Atlas na Igreja São FranciscoOs detalhes revelam uma curiosa mistura de arte barroca com fé católica. A imagem de Nossa Senhora da Conceição convive com ninfas de seios à mostra. O gigante Atlas, da mitologia grega, suporta os pilares dos santos.

Da igreja para a rua, quase não dá para recuperar o fôlego. Do Terreiro de Jesus e do Largo do Cruzeiro, saem as ruas que levam à parte mais baixa da cidade antiga e ao Largo do Pelourinho.

Tambores e ladeiras

Rua Gregório de Matos Salvador Desço a ladeira pela Rua Gregório de Matos, o famoso Boca do Inferno. Exatamente como fizeram as personagens de suas críticas mais mordazes: senhores de engenho, doutores, padres, governantes.

Até o século XIX, a região toda era território dos ricos ou bem-nascidos. A riqueza do açúcar do Recôncavo Baiano levantou a maior parte do casario hoje tombado pela Unesco. Acabou sendo também lugar de pregação dos abolicionistas e republicanos.

Vendedor de Berimbau no PelourinhoForam-se os mais ricos, vieram os escritores, os artistas, os músicos, os artesãos. Depois da grande restauração, há mais de 15 anos, chegaram os museus, lojinhas de artesanato, centros de cultura.

Os tambores, que nunca saíram daqui, seguem ditando o ritmo da ladeira. E não são apenas os consagrados.

Meninos tocando no PelourinhoHoje o burburinho de turistas se junta em torno de um grupo de rapazes, o chapéu colocado na rua, sorriso na cara.

Mais abaixo, sons parecidos escapam das janelas de outro prédio. São meninos ensaiando para o carnaval.

Neste passo, entre batuques e vendedores de tudo e mais um pouco, as ruas que começam no alto do morro levam ao mesmo lugar.

Largo do Pelourinho e Casa de Jorge Amado

Casa de Jorge Amado com fitas coloridasÉ no Largo do Pelourinho que todos se cruzam. Bancas vendem acarajé e sucos, baianas bonitas trançam os cabelos com tererês coloridos.

Fitas na Igreja do Rosário dos PretosAs cores combinam com as fitas que cobrem as grades da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, feita pelos escravos. Uma rede de desejos no local onde o antigo pelourinho foi demolido.

Em frente à igreja, a imagem de Michael Jackson permanece na sacada onde o cantor gravou o famoso clip com o grupo Olodum. Você ouve a música e pode tirar uma foto com o astro de papel por cinco reais…

Vista da janela da Fundação Jorge AmadoPrefiro as janelas do segundo andar do casarão azul que domina o alto do Largo, a Fundação Casa de Jorge Amado. Visão perfeita das ladeiras que descem até a Baixa do Sapateiro e sobem mais uma vez em direção à Igreja e ao Convento do Carmo.

O casario da janela parece fazer parte do acerto de fotos, ilustrações e capas dos livros do escritor que colheu seus personagens nas ruas da Bahia.

Beiju Dona Flor na Casa de Jorge AmadoParo para um café acompanhado dos beijus de Dona Flor.

Mas volto logo para a rua, que um dia é muito pouco para viver o Pelourinho.

Fotos: Cassiana Pizaia

—————————————

Guia Rápido do Pelourinho

Casario no Pelourinho

Onde comer no Pelourinho

Restaurantes tradicionais como o Sorriso da Dadá (da famosa quituteira) e o Restaurante do Senac (mais econômico) funcionam no Centro Histórico. O Maria Mata Mouro serve uma moqueca deliciosa em um casarão histórico com mesas no jardim. Mas atenção para o preço salgado. O prato para três pessoas custa R$130,00.

Sorriso Da Dadá: Rua Frei Vicente, 5
Restaurante do Senac: Largo do Pelourinho, 13/19, 1º andar
Maria Mata Mouro: Rua da Ordem Terceira, 8.

Um ótimo local para uma pausa rápida é o Café Zélia Gattai na Casa de Jorge Amado. O beiju feito com tapioca e queijo (porção a R$5,00) é uma delícia. Os doces também são vendidos por unidade em embalagens graciosas. Custam a partir de R$1,50 e podem ser uma ótima lembrança do Pelourinho. A Casa fica no Largo.

Quanto de gasta no Pelourinho

A Fundação Casa de Jorge Amado e a maioria das igrejas cobra R$3 reais pela entrada. Uma das exceções é a Igreja de São Francisco, que cobra R$5,00.

Centro Cultural Solar FerrãoVários museus são gratuitos, incluindo o Centro Cultural Solar Ferrão que reúne exposições de arte sacra, arte africana e instrumentos musicais.

Entre os que cobram, a entrada fica normalmente abaixo dos R$3,00.

Horários das igrejas e museus do Pelourinho

As igrejas têm horários variados. Para encontrar a maioria aberta, vá entre 09h00 e 17h00 nos dias de semana. Aos domingos, o mais indicado é fazer o passeio em horário intermediário. Todas abrem na segunda-feira.

Os horários também mudam de um museu para outro. Quase todos estão abertos entre 10h00 e 17h00 durante a semana. Nos finais de semana, é mais garantido fazer a visita à tarde.

A Fundação Casa de Jorge Amado abre das 10h00 às 18h00 de segunda à sexta-feira e das 10h00 às 16h00 aos sábados.
Mais informações sobre a casa:
www.jorgeamado.org.br

MAIS SOBRE A BAHIA
De ônibus pelas praias de Salvador
Ilhéus: O que fazer na terra de Gabriela
Fazenda Primavera| Cacau com história em Ilhéus
O que fazer e viver na Península de Maraú
Taipu de Fora| Marque encontro com o paraíso

postado por Cassiana Pizaia
  1. 21 fev2015
    Renata

    A riqueza dos detalhes e as cores vibrantes nos deixam ansiosos para conhecer melhor essa cultura tão eclética. .

  2. 4 set2015
    Bruna

    Amei o post, fotos e descrição belíssimas. Parabéns pelo trabalho. Abs

    • 5 set2015
      Cassiana Pizaia

      Valeu, Bruna. O Pelourinho é tudo de bom. 😉

Deixe seu comentário: