07.08.2015

São Joaquim: O que fazer além de ver a neve

São Joaquim: O que fazer além de ver a neve

A maior propaganda de São Joaquim costuma ser a previsão do tempo. Basta a menor possibilidade de neve e as pousadas lotam. Quem mora perto corre prá lá e o termômetro da praça vira atração turista.

Não é mito. São Joaquim é mesmo a melhor cidade para ver neve no Brasil. O principal motivo é a altitude, 1360 metros acima do nível do mar. Há lugares mais altos e até mais frios na Serra Catarinense, como na vizinha Urupema. Mas se você não quiser subir morro, é melhor esperar por aqui mesmo.

Ainda assim, é preciso ter sorte. E eu não tive, apesar do termômetro indicar geladíssimos 2 graus negativos quando cheguei.

A ideia inicial era passar rapidamente pela cidade em um roteiro que começou em Cambará do Sul, no Rio Grande do Sul, e seguiu pelaSerra do Rio do Rastro,por São Joaquim e por Urubici, em Santa Catarina.

->>Cambará do Sul: Como chegar aos maiores cânions do Brasil
Como é ( de verdade!) subir a Serra do Rio do Rastro
Urubici: Pontos turísticos e aconchego na Serra Catarinense
De Cambará do Sul a Urubici: Um roteiro pelos Aparados da Serra

Praça João Ribeiro, em São Joaquim.

Praça João Ribeiro, em São Joaquim.

Mas veio a previsão de neve e eu, claro, resolvi passar a noite lá.

A maioria dos turistas acaba encontrando menos do que espera. Apesar da fama, São Joaquim realmente ainda não tem uma grande infraestrutura turística. Mas é possível comer bem, fazer um passeio agradável e aproveitar boas atrações na região.

O que mais gostei:

IGREJA MATRIZ DE SÃO JOAQUIM

Igreja de São JoaquimSem dúvida, é a construção mais bonita da cidade. A igreja é toda de pedra basalto, com belos vitrais e esculturas na parte externa. Os sinos trazidos da Alemanha foram transportados por carros de boi quando a estrada da Serra do Rio do Rastro era apenas uma trilha de terra.

Em frente à igreja,fica a bela Praça João Ribeiro, com lago, grandes árvores e jardins bem cuidados.

Vinhos da Serra Catarinense

Loja do Vinho em São JoaquimA produção de vinhos vem crescendo e se sofisticando na serra catarinense. Várias vinícolas de São Joaquim já recebem turistas. A mais tradicional é a Vinícola Villa Francioni (SC 114, Km 70. Fones: 49 3233 8200), com tour guiado e degustação.

Como ir até uma vinícola não estava nos planos, optamos por conhecer os vinhos da região na Casa do Vinho ( Rua Ismael Nunes, nº 7, centro. Fone: 3233 3447). Além de uma grande variedade de rótulos, a loja tem funcionários especializados para orientar os visitantes e oferece degustação. Saímos de lá com várias garrafas na bagagem.

Parque Snow Valley

Snow Valley - São JoaquimO parque fica na SC 438, a 10 quilômetros da cidade, no caminho para Bom Jardim da Serra. A estrutura bem planejada tem loja, restaurante e lanchonete. Mas o destaque são os esportes de aventura: muro de escalada, pêndulo, arvorismo e trilhas (preços entre R$10,00 e R$30 reais).

A tirolesa (R$50,00), tem preço salgado, mas é uma atração à parte, com um longo “passeio” sobre as copas das árvores e um riacho. O lugar agrada em cheio crianças e adultos. Quem não quiser se arriscar (presente!), pode apreciar a bela paisagem.

Outros pontos turísticos:

Mirante de Belvedere
A grande escadaria que leva à parte mais alta da cidade começa no final da avenida principal. Depois de uma subida puxada, tem-se realmente uma bela vista da cidade, mas é só isso. O lugar merecia um cuidado melhor.

Exponeve
Vários estandes com produtos da região funcionam em um galpão dentro do Parque Nacional da Maçã. O lugar é arrumado mas tem pouco movimento. Fora do período da Festa da Maçã, o parque não tem atrativos.

Ao lado, fica o Centro Experimental da EPAGRI, que desenvolve pesquisas sobre o cultivo das maçãs. São Joaquim é uma das maiores produtoras da fruta no Brasil.

Onde comer em São Joaquim:

Restaurante São JoaquimO Restaurante Pequeno Bosque (R. Major Jacinto Goulart, 212. Fone: 49 3233 3318) serve pratos a la carte, com destaque para as trutas, e uma sequência de fondue de queijo, carne e chocolate por R$79,00. Peguei uma longa fila de espera no inverno.

O Restaurante Divino Grão (R. Major Jacinto Goulart, 175), que funciona quase em frente, é uma opção interessante e mais econômica. Tem ótimo atendimento e serve cafés, pratos executivos ótimos e bons vinhos, incluindo os produzidos na Serra Catarinense.

Pousada em São Joaquim

Pousada São JoaquimComo havia previsão de neve e resolvi ficar na última hora, os hotéis e as pousadas maiores já estavam lotadas. Recorri ao Serviço de Informações Turísticas, que me indicou a Pousada Boa Vista (R. Bernardino de Carvalho, 10 Fone: 49 3233 0397/9145 7155).

A pousada funciona em uma residência familiar simples, adaptada para receber hóspedes há pouco tempo. A família é atenciosa, o fogão a lenha e a lareira na sala ajudam a aquecer o ambiente, mas não há aquecimento nos quartos.

As pequenas pousadas oferecem a maior parte dos leitos em São Joaquim e lotam rápido na época mais fria. O maior hotel da cidade, o São Joaquim Park Hotel (Praça João Ribeiro, 58. Fone: 49 3233 1444), fica no centro e conta com aquecimento central e piso aquecido.

Sugestão de roteiro na Serra Catarinense ( com mapa )

Mapa Roteiro Serra CatarinenseA visita a São Joaquim encaixa perfeitamente em um roteiro com outras duas outras grandes atrações da região: a Serra do Rio do Rastro e Urubici

-> Pousada em Urubici: Arroio da Serra, turismo rural com o sabor da colônia

Quem vem de Florianópolis pela BR 101, pode entrar na SC 438 em Tubarão e subir a Serra do Rio do Rastro até Bom Jardim da Serra.

Se vier do Sul (como eu fiz) pode sair da BR 101 um pouco antes, na localidade do Morro da Fumaça. A estrada passa por Urussanga e encontra a SC 438 em Orleans.

De Bom Jardim a São Joaquim são 42 quilômetros. De lá até Urubici, são mais 62 quilômetros pela SC 110. Ou seja, distâncias percorridas facilmente em um fim de semana. As estradas são boas e as paisagens recheadas de montanhas, araucárias e plantações de maçã.

Apesar de ser uma cidade bem menor, Urubici tem atrações interessantes como o Morro da Igreja , boas opções de restaurantes e pousadas.

O retorno para Florianópolis pode ser via SC 110 e BR 282.

———————————————
Você também pode gostar de:

De Cambará do Sul a Urubici: Um roteiro pelos Aparados da Serra
Como é ( de verdade!)subir a Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina
Urubici: Pontos Turísticos e aconchego na Serra Catarinense
Pousada em Urubici: Arroio da Serra, turismo rural com o sabor da colônia

postado por Cassiana Pizaia
  1. 22 ago2016

    Muito bom.

    • 23 ago2016
      Cassiana Pizaia

      Obrigada, Beatriz.

  2. 8 fev2017
    Douglas

    Não quero criar polêmica, mas eu já vi em um artigo (artigo recente) de que SÃO FRANCISCO DE PAULA, na Serra Gaúcha, é a cidade brasileira com a maior chance de neve nos dias em que tal fenômeno pode ocorrer, e a explicação é simples: a cidade tem boa altitude (920 m), está na borda da serra e muito mais próxima do mar recebendo umidade suficiente para tal, lá neva praticamente em todos os anos e chuva congelada também é comum. No histórico da neve no Brasil, a cidade encabeça a lista em todos os eventos, no ano passado (17/07/2016) houve um pouco de acúmulo no centro e a cidade onde mais tempo nevou.

    E mais uma observação: a cidade mais fria não é São Joaquim, é Urupema, o ponto mais frio do Brasil (mesmo desabitado) é o alto Itatiaia, no RJ, descobertas recentes pela meteorologia.

  3. 27 abr2017
    maucar

    São Joaquim não tem maçã?

    • 19 maio2017
      Cassiana Pizaia

      São Joaquim é um grande produtor nacional de maçã, Maucar. Mas, infelizmente, não encontrei os pomares carregados já que a a colheita ocorre principalmente entre os meses de fevereiro e maio. Essa, aliás, é uma bela época para se conhecer a região para quem não faz questão de ver neve. Abraço!

Deixe seu comentário: